27 de ago de 2010

não achas que é uma ironia ter que 'comprar' um cofre para juntar dinheiro?
semana passada comprei um, bem grande, do tamanho de latas de ervilhas que os restaurantes usam
todos os dias jogo umas moedas ali
não sei quanto já juntei, mas teria pelo menos 2,50 a mais se não tivesse gastado com o cofre
isso deveria ser de graça, como incentivo à economia caseira

26 de ago de 2010

.
.
.
quem nunca teve uma banana e um energético
como café da manhã
que me traga torradinhas com geléia
e um suco de laranja bem geladinho
.
.
.

22 de ago de 2010






a pensar que o tempo passa e que as coisas mudam
continuo tendo medo do bicho-papão
agora não sai mais do armário ou debaixo da cama
mas da minha própria ilusão...
...de mundo












A conversa sempre começa com um "Oi tudo bem?"
Até aí, tudo dentro da normalidade. O problema é quando essa frase é dita no msn por uma pessoa que não fala comigo há muito muito muito tempo.
Em questão de segundos passa um filme na cabeça e parece que está faltando uma parte, pois não lembro quando foi a última vez que nos falamos.
Aí começa o interrogatório de "como estás?", "estudando/trabalhando/namorando?"...
A conversa fica num blábláblá interminável e eu ali esperando a pessoa perguntar o que ela realmente quer saber, pois se fica dando voltas, é porque algo há! Não venha me dizer que sentiu saudades de mim depois de tanto tempo sem contato que é difícil de acreditar.
Enfim, 10 minutos depois vem a frase "estou pensando em ir para Dublin" e dá-se início a um exaustivo bombardeio de perguntas!
Não que eu ache ruim responder, muito pelo contrário, se puder ajudar fico feliz. Mas esse interesse desnecessário das pessoas em só falar quando precisam de algo realmente me decepciona! Qual a dificuldade em manter contato de vez enquando para saber se está realmente tudo bem, se precisa de algo ou apenas para jogar conversa fora?
E no meio do pergunta-responde vem aquela clássica "já casou aí?".
P*** Não vim aqui para casar!!! E ninguém entende que algumas pessoas sonham mais alto que um casamento com gringo e um stamp 4 nas mãos.

20 de ago de 2010


Burra ou desmemoriada?

A Irlanda está me dando boas dores de cabeça, estou emburrecendo.
Muitas vezes quando vou escrever algo que não é de costume, escrevo errado. Isso é inadmissível para uma pessoa que estudou português como eu.

Ainda se percebo o erro na hora tudo bem, posso corrigir, mas e quando já apertei o enter ou cliquei no enviar???
Passar vergonha por escrever errado não dá!

18 de ago de 2010


São tantas idéias em mente para postar e tão pouco tempo livre para escrever e expressar o lado criativo que acabo esquecendo o que havia pensado, pois tenho o péssimo hábito de não rabiscar as idéias quando elas surgem.

Porém, hoje acordei com os "sapatinhos vermelhos" na cabeça... E só a palavra 'sapatos' já me instiga muito, quem dirá se vier acompanha da palavra 'vermelho'.

Lembro que alguns dias atrás estava em uma conversa facebook.com com minhas amigas quando falei "não há lugar como o nosso lar" e uma delas lembrou ser da Dorothy, que batia seu sapatinho vermelho dizendo isso.
E pensar em vermelho, lembro de "Os sapatinhos vermelhos", uma crônica de Caio Fernando abreu que sempre quis ler, mas que sempre deixei para depois e que hoje me pergunto, sobre o que é esse texto?
Tenho que assumir que a vontade de ler é pelo título, nunca pesquisei a respeito e nem vou, deixa na curiosidade, um dia lerei.

Mas continuando, essa manhã acordei quando sonhava com o que? Óbvio, sapatinhos vermelhos.
Havia ganhado sapatos vermelhos (lindos diga-se de passagem) de uma ex colega de trabalho (que nem era simpática comigo quando trabalhávamos juntas) o que fez um nó na minha cabeça.
Aí fiz a ligação de que realmente ganhei um par de sapatos vermelhos, os quais nunca usei por falta de oportunidade, afinal, a única coisa que faço é trabalhar e como trabalhar usando um salto lindo daqueles? Impossivel na minha atual situação.

Meu inconsciente sempre me dá uns quebra-cabeças divertidos. Nunca sei como analisar os fatos ou como juntar o real com o ilusório.
Assistirei o Mágico de Oz novamente, procurarei a crônica para ler e usarei os sapatos!
Está decidido!
Atualmente sou frequentadora assídua da loja HMV (http://hmv.com/hmvweb/home.do) e confesso que detesto esse lugar!
Lá tem reunidos inúmero filmes a preço de banana, livros, camisetas, cds, jogos... enfim, coisas diferentes daquela banda que meu amigo x tanto gosta, aquele livro que conta a história do fulano de tal que minha mãe gosta e os clássicos da Disney que eu tanto gosto...
Estou realmente ficando pobre tchê!

Saio do trabalho as 15h, meu ônibus passa somente as 16h, então o que fazer? A loja fica de frente pra mim o dia todo, só esperando uma visitinha básica, tocando só música boa e com um ar condicionado sempre na temperatura ideal.
Consigo às vezes perder o ônibus olhando as coisas e não sabendo o que comprar primeiro. Como sub-trabalhador não pode comprar tudo o que deseja (porque apesar de mulher consumista, ainda tenho noção das obrigações mensais de pessoa responsável com suas contas), sigo comprando aos poucos...

E tenho que admitir que a última aquisição vem me tirando o sono... Coleção do Almodóvar, 4 filmes pelo preço de um e até o momento, duas noites pouco dormidas. Agora me faltam mais dois e depois coloco o sono em ordem.

Ou não, pois a semana está acabando, o salário está entrando e a loja me chamando de novo...

17 de ago de 2010

eu costumava ser uma perfeita chocólatra
hoje percebi que mudei, nunca mais comprei uma barra, nem um bombonzinho, um palitinho, uma trufa...
nada, nada, nada...

e eu devorava-os em 2 minutos em crises de tpm
em menos de 1 minuto se estivesse com saudade de casa
e em segundos se estivesse triste...

o que se passa?
continuo com saudade, com tpm...

ah tá, a alegria supera o doce de qualquer coisa, até mesmo do chocolate...

14 de ago de 2010

o sino toca as 9h45, e às 12h resolve tocar novamente
não sei porque, mas sempre acordo com ele,
independente do horário, mas muito dependente do dia

hoje acordei as 12h achando que eram 9h45
tudo bem, dormi mais um pouco e já eram 13h

olho para o lado e vejo meu anjo, cansado
e mesmo cansado me protegendo de todo o mal
ou pesadelos que me fazem gritar no meio da noite

ao abrir a janela, vejo o sol iluminando a terra verde
como há muito tempo não iluminava
iluminou até os corações perdidos

estranho né? também achei
e já que é para ser estranho, fiz um bolo...
eu fazendo bolo???

yumii yumii, o dia estava no ponto!

12 de ago de 2010


se é difícil saber para onde vamos, quem dirá até onde podemos chegar.

nunca sabemos onde nossos passos nos levarão, mesmo achando que a escolha do caminho X é a correta
a gente vem e vai, pessoas vem e vão, e voltam e vão de novo
o importante é nunca dizer adeus e sim um até logo
logo te vejo, logo nos reencontraremos, logo marcaremos outra cervejada...
e ainda bem que eu dei um "até logo" antes de vir para cá, agora estou dando um "até logo" à Irlanda
pois sempre há uma força maior que nos faz voltar para casa
a casa que nos dá conforto, paz e alegria (mesmo sendo para férias)

Brasil, aí vou eu
43 dias...

5 de ago de 2010

como a vida nos prega peças confusas...

há 10 meses tudo era tão diferente
saí do Brasil com a idéia que aqui na Irlanda tudo ia ser maravilhoso
mas cheguei perdida, me sentindo sozinha, vulnerável às coisas ruins
aí tudo foi melhorando, e depois piorando; melhorando e piorando de novo
agora está bom, mas não é a mesma coisa, é completamente diferente
não tenho mais a rotina de aula, nem de procurar emprego
não convivo mais com as mesmas pessoas, tudo tomou um rumo imprevisto e fugiu totalmente o controle
não só o meu controle, mas também das pessoas que eram próximas
o próximo virou distante e o distante... ah, vice-versa
tudo muda todos os dias e isso dá um nó infinito na cabeça
mas a pensar em certas coisas do início, dá boas lembranças...
boas risadas e algumas coisas que ficarão para sempre no coração
ressentimentos a parte, sinto falta de muita gente
que por algum motivo maior, hoje decidi trazer de volta pra perto
afinal, o mundo gira e quem passou por mim antes, pode passar de novo...




conhecem aquela frase que diz que devemos ser como a rocha que a tudo resiste e não como o mar que tudo destrói?


pois bem, mais uma vez eu discordo (sim, sou do contra mesmo!)
não quero destruir nada, tão pouco resistir a tudo...

rochas resistem ao amor...
quero ser gaivota, livre
que convive em harmonia com rocha e mar, amando...

e a coisa que eu gosto muito é amar. amar família, amigos, rocha, mar...
só amar por amar, pra ser mais feliz e tornar os dias mais coloridos